Publicado em Sem categoria

I Permasul- Nossa participação 2

Na semana passada compartilhamos nossa participação no I Permasul- Convergência de Permacultores do Sul do Brasil, contando brevemente como vivemos este lindo momento, e disponibilizando a apresentação da Suzana Maringoni “Permacultor: protagonista da própria vida”.

Hoje, conforme publicado, compartilhamos o texto base da palestra do Jorge Timmermann “Diálogo entre teoria e prática”. Lembramos que estas publicações são apenas base para uma palestra de uma hora, assim, propomos o diálogo na área dos comentários.

Diálogo entre teoria e prática

Jorge Timmermann

Bom dia! Como sabem, eu sou Argentino, e lá tive a base da minha formação, seja na graduação em Biologia, nas pós graduações como entomólogo, microbiólogo e ecólogo, e numa primeira fase de vida profissional como professor universitário e outros projetos. Ou seja, toda a minha vida de Biólogo-Ecólogo (1970-1995), teve em seu seio a discussão da importância da teoria e a prática.

Nos últimos anos, (1995-2019), desde que passei a viver no Brasil, meu perfil profissional mudou um pouco com permacultura, e esta preocupação não tem sido diferente. Mas a “polarização” à respeito segue, com defensores de ambos o lados , por um lado a prática, dita a “mão na massa!”, como se ela fosse suficiente para adquirir conhecimento… E, por outro lado, espremendo-se virtudes da teorização como que fosse um nível superior do saber.

Duas posições extremas que não reconhecem o valor central do saber, apoiado tanto no método científico como na teoria do conhecimento, que é a criação de modelos mentais teóricos, no que diz respeito a determinados conhecimentos e logo a práxis, ou prática, que nos leva a confirmar os supostos teóricos.

Continuar lendo “I Permasul- Nossa participação 2”

Publicado em Sem categoria

I Permasul – Nossa participação

Em primeiro lugar, nos desculpamos pela ausência de postagens nos últimos meses. Às vezes perdemos o ritmo de parar para escrever, e também por que os projetos Yvy Porã e Waikayu andam bastante dinâmicos, e o tempo para escrever fica meio perdido.

Na postagem de hoje, vamos compartilhar o que foi a nossa participação na I convergência de permacultores do sul do Brasil – I PERMASUL, que aconteceu entre 18 e 21 de julho de 2019, em Florianópolis.

Convergências de permacultores são encontros regionais, nacionais, ou mundiais que acontecem para troca, encontro, debates, exposições, sem no entanto ter nenhum caráter deliberativo. É realmente uma convergência de ideias e ideais, de sentir que existem parceiros e iguais no mundo. O Brasil é muito grande, e nunca se conseguiu fazer uma convergência brasileira, embora em 2007, tenha ocorrido aqui a convergência mundial, que foi sediada no IPEC.

Frente ao sonho e vontade de fazer estes encontros, no Brasil, quem saiu na frente foi o pessoal do Ceará, que já vai para sua terceira convergência.

Aí, agora em 2019, recebemos um telefonem da Rafaelle Mendes dizendo que havia uma equipe organizando a primeira convergência do sul do Brasil, e nos convidavam, pela nossa história e trabalho, a participar como palestrantes. Ficamos, Jorge e Suzana, bastante animados, orgulhosos de que a nova geração de permacultores sérios, tenham encarado este desafio, que não era nem simples, nem pequeno.

 

A I PERMASUL aconteceu em Florianópolis, na UFSC, foi um momento lindo, e ganhou quem esteve presente nos 4 dias de encontro! Foram muitas conversas, um belo astral, e uma organização bem bolada: haviam palestras, rodas de conversa, grupos de trabalho e discussão sobre temas de algumas das pétalas da flor da Permacultura: Educação, Economia e finanças, Bem estar psico físico espiritual, Espaço construído, Posse da terra e governo comunitário. Só temos que reconhecer e valorizar a iniciativa de Martin Ewert e Mildred Gustack Delambre, que deram um start e reuniram a equipe que pensou e preparou o evento: Alessandra Tavares, Fabio Vaccaro, Martin Ewert, Mildred Gustack Delambre, Rafaelle Mendes, Waldomiro Aita Neto, Viglio Schneider, Cecília Prompt,  Daniel Philippsen, Beatriz Horongoso e agradecer aos demais voluntários que colaboraram durante o evento.

Ao mesmo tempo em que ficamos honrados com o convite, nos questionamos sobre o que falar? O que seria interessante de levar para o grupo? O que levar para uma conversa entre permacultores? Entre muitas conversas e reflexões, decidimos que não seria um relato do que vivemos nos projetos, pelo menos, não diretamente. Buscamos temas de reflexões para trocar ideias e abrir horizontes.

Suzana foi para o lado do viver a permacultura, como forma de autonomia, autoria, independência, buscando “sair da caixinha” e propor um olhar mais amplo sobre como e onde viver a permacultura, discutindo a questão de economia e finanças, fartura etc que sempre aparecem como um entrave a ser permacultor. Permacultura não é carreira, não é emprego, é modo de vida, e que propõe ser sustentável. Assim, surgiu o tema“Permacultor: protagonista da sua vida”.

Jorge demorou mais em organizar sua fala, haviam muitas coisas que poderiam ser, e no fim o foco da fala foi “Diálogo entre teoria e prática”, fazendo uma reflexão sobre o permacultor que sem prática fica no vazio, e sem teoria pode levar a experimentos duvidosos e perigos.

Então, teremos duas postagens, nesta primeira divulgaremos em PDF os slides da fala da Suzana. Lembrando que os slides são uma guia de uma fala de uma hora, então, claro que pode haver questões, dúvidas! Fiquem à vontade para perguntar e assim, seguiremos ampliando o diálogo da Permasul, ainda que no virtual!

“Permacultor: protagonista de própria vida” – Suzana Martins Maringoni3convergencia permasul2019

Publicado em Espaço Waikayu, Produção de alimentos, Zona 3 - cultivos em escala

O trabalho das ovelhas

No design cada elemento deve cumprir pelo menos 3 funções, e ter suas necessidades supridas por mais de uma fonte. Este exercício de fazer conexões se chama análise dos elementos, uma das tarefas que compõem o design da propriedade, e que deve ser feito cada vez que se pensa em introduzir um novo elemento no projeto.  A análise de elementos inclui estruturas, plantas, cultivos e obviamente, animais.

Animais são fundamentais num design, desde fauna nativa, como animais domesticados, ao longo da história da humanidade. Eles polinizam, adubam, roçam, dão alimentos, etc. Um permacultor também entende a função dos animais como conexões das zonas. Na foto abaixo vacas pastando sob o parreiral no sítio Raízes,

Como muitos permacultores tem origem urbana, o capítulo “animais” é sempre um desafio, já que nos expõe à nossa ignorância, aos nossos medos e à questão da responsabilidade frente a outro ser vivo, com decisões de vida e morte.  Animais felizes são os que fazem o que nasceram para fazer, e aí nos incluo.  Tratá-los com respeito e atenção, nos ensina mais de nós mesmos do que dele.

Demoramos para introduzir novos animais em Waikayu, embora estivessem contemplados no design desde os primeiros rabiscos. Nas zonas 3 de pastagens, as vacas estiveram presentes desde o primeiro dia. Mas nas áreas das bracatingas e eucaliptos, neste 4 anos, deixamos as árvores crescer e a roçadeira fez o papel que seria dos animais- mantendo as pastagens nativas. Na foto abaixo, a pastagem sob as bracatingas.

Então, finalmente, fizemos a tarefa estudamos, pesquisamos e decidimos pela introdução das ovelhas. Abaixo, o registro da nossa análise dos elementos.

Continuar lendo “O trabalho das ovelhas”

Publicado em produção de alimentos, Zona 1- canteiros

As “pragas” no design.

Hoje vamos falar sobre o chamado “Controle biológico de pragas”, um assunto sempre presente quando se tem uma horta ou qualquer produção de alimentos, e aparecem seres “indesejados”, as famosas “pragas”.

Como sempre, nossa postagem parte de uma vivência concreta seja em Yvy Porã , Waikayu ou nos parceiros. Esta aconteceu em Yvy.

Encontramos na nossa horta uma larva comendo as folhas dos tomateiros. Era uma enorme, assustadora e voraz lagarta verde, que faziam um belo estrago.

 

 

A primeira reação é a de sair matando todas as lagartas que se encontravam no cultivo. Arrancando aquela “praga” que está danificando o tomateiro.

 

Continuar lendo “As “pragas” no design.”

Publicado em Cursos, Cursos PDC

Cuidando das pessoas num curso PDC

A permacultura propõe princípios éticos irredutíveis, e que norteiam ações para a construção de uma cultura permanente:

  • Cuidar da terra
  • Cuidar das pessoas
  • Restringir consumo e partilhas excedentes

Uma vez por ano, paramos nossos trabalhos nos projetos Yvy Porã e Waikayu Raízes, para nos dedicarmos à  formação de novos permacultores, com a realização do Curso de Design em Permacultura (PDC), ou seja, uma dedicação exclusiva durante os nove dias do curso.

Desde 2012 fazemos um PDC em Yvy Porã, na semana Santa, somente para um grupo pequeno, de no máximo 16 pessoas. A proposta de acolher este grupo durante  tantos dias, seguindo a ética da Permacultura,  isto  traz toda uma preocupação e ações concretas para esta acolhida.

Nove dias é muito tempo, neste período dizemos que é importante o dormir bem, tomar um bom banho, e uma alimentação orgânica, onívora, farta e variada. Estes ítens fazem  que as pessoas possam assimilar tanto o que se discute no curso, como passar bem na experiência de convívio com um grupo de desconhecidos em uma mesma casa. Na foto abaixo, a turma do primeiro PDC em Yvy, em 2012.

Escrevemos esta postagem com base nas avaliações dos grupos que por aqui passaram, e vamos tentar desmistificar algumas coisas sobre a vivência de um PDC, sugerimos também a leitura da postagem “afinal, o que é um PDC?” que explica o currículo do curso. Também sugerimos a leitura do documentos elaborado pelos pioneiros da Permacultura no Brasil sobre as Bases para o PDC.

Com a experiência de muitos anos em educação e escolas, Suzana traz a ideia de que tudo que é comunicado ANTES, e que se deixa claro como e o que vai ser, é mais fácil para que as pessoas se preparem, com base no real. Assim, as correspondências antes do curso vão dizendo o que viveremos no PDC, dando dicas de vestimenta, alimentação e alojamento.

Em Yvy, todos ficam alojados na Casa mãe, uma construção de 1929, restaurada, mostrada na foto acima. O famosos discurso sobre auto-gestão, que às vezes tem até cursos sobre este assunto,  é vivenciado pelos cursantes ali: 15 pessoas, que recebem a casa limpa, e são responsáveis pela sua manutenção durante os dias do curso. Temos 3 quartos para casais ou famílias que venham para o PDC, mais um quarto com 3 camas e o grande sótão que abriga quem desejar, com colchões. Fora isto, quem quiser, pode montar sua barraca. Temos visto que cada grupo se organiza de uma maneira, e ainda que pareça incrível, as pessoas ficam felizes em estar 9 dias numa casa com outros 15 desconhecidos, partilhando barulhos, limpeza, banheiro, etc. É sempre uma surpresa e um aprendizado. A casa Mãe também funciona com banheiro seco e aquecimento para água com um Rocket stove, o que propicia a aprendizagem concreta de como, numa rotina, se faz para tratar seus efluentes, cuidar da água, etc.

A alimentação é sempre um ítem fundamental- pessoas bem alimentadas são pessoas felizes. Nossa alimentação é onívora, orgânica, em sua maioria e comprada de parceiros no local. A ordem das compras de alimentos começa pelo que conseguimos produzir na escala do curso: algumas hortaliças, bananas, caquis. Logo vem os vizinhos, Ilse (que também ajuda na cozinha durante o curso) fornece leite, queijo, manteiga, nata, doces, biscoitos, galinhas, ovos e faz os pães todos os dias. Pedro Marcos, do Raízes fornece mel, suco de uva, frutas.  De Cerrito vem também a carne, do açougue do Tochão, que abate animais que pastam. Ai vamos para o  Xisto Besen, produtor orgânico de Antonio Carlos, comprar todas as verduras e frutas que ainda faltem. Em seguida o fornecedor de grãos e farinhas orgânicas, e finalmente, para os ítens finais, vamos aos grandes atacadistas. Ou seja, a lógica é outra: produtos locais e limpos, sejam verduras, frutas, grãos, ovos e carne de procedência conhecida, de animais criados soltos, pastando. A opção de vegetarianismo é pessoal, e não misturamos carnes com as verduras, assim respeitamos as opções de cada um.

O processamento dos alimentos é feita por Ilse e Suzana, incluindo 5 refeições: café da manhã, almoço, jantar e dois lanches nos meios períodos. As frutas são liberadas para consumo o tempo todo e os paẽs , cucas e bolos, feitos diariamente. Claro, sem esquecer a pizzada da sexta-feira, momento cultural e de celebração.

O curso de Design em Permacultura é um curso teórico, com muito conteúdo, em Yvy colocamos várias práticas, mas são ilustrativas, de um conteúdo que já foi dado, ou um que ilustra algo que virá. Ou seja, quem vem fazer o curso, sabe que as práticas não são o foco do curso, e nem nós, como proponentes, esperamos que um curso seja para realizar uma grande obra, assim, muitas vezes, o planejado nem é todo ele realizado, depende do grupo. Por exemplo: fazer uma paredinha de taipa: um grupo pode fazê-la inteira, outro não… E este não é o objetivo do PDC, o objetivo é formar bons permacultores, com embasamento para as aprendizagens que virão depois.

Entendemos que a postura de cuidar das pessoas , cuidar da terra, restringir consumo e partilhar excedentes traz em sí uma grande dose de espiritualidade, e é nela que nos embasamos e damos um PDC para toda e qualquer religião, incluímos e respeitamos a todas, por isso não temos NENHUM ritual de nenhuma religião. Também somos rigorosos na proibição de qualquer aditivo alterador de consciência- nenhuma destas substâncias é aceita em Yvy. O curso, por sí só, já traz muitos elementos desestabilizadores e muitos momentos de encontro em volta da fogueira, onde pode rolar músicas, histórias, ou uma boa conversa…

Então, ficou curioso? Converse com quem já fez um curso em Yvy Porã, pergunte, tire suas dúvidas. Vamos buscar soluções para mudanças pessoais e que levem à construção da sustentabilidade…

Em 2019, como excessão, daremos dois PDCs, um em Yvy Porã, entre 13 e 21 de abril, e outro em Waikayu, entre 15 e 23 de junho. Inscreva-se, pois em ambos, as vagas são limitadas!

 

 

 

 

Publicado em Espaço Waikayu, Zona 3 - cultivos em escala

Manejo da floresta de bracatingas

Em duas postagens anteriores sobre o espaço Waikayu relatamos o projeto de pastagens e árvores no nosso espaço. O tempo passa, e acabamos deixando de publicar no blog como vem se desenvolvendo as bracatingas e qual o manejo que elas vem recebendo. Na foto abaixo a caçamba com 3.000 bracatingas, mudas feitas pelo Joel, da Terra Pinus , de Lages.

Em setembro de 2018 plantamos nosso terceiro hectare com 6.000 bracatingas, seguindo o mesmo padrão  relatado na postagem sobre madeiras e sustentabilidade. Então, em fevereiro de 2019 temos plantas no primeiro crescimento de verão, outras com dois anos e as mais velhas no seu terceiro verão de crescimento. Na foto abaixo, as mais novinhas, que plantamos em setembro. Várias delas já com 70cm de altura.

 

É incrível ver o desenvolvimento das plantas, lembrando que elas estão plantadas numa grande densidade, num espaçamento de 1m por 1,5m cada planta.

No inverno de 2018, fizemos, em família, a poda de condução das plantas antes do terceiro estirão de crescimento. A poda florestal tem como objetivo a condução das plantas para a utilização da madeira, assim, prioriza-se o crescimento vertical, podando as bifurcações e cortando-se os galhos laterais. Nesta foto as plantas antes da poda.

E nesta imagem, a mesma área depois da poda. A entrada de luz muda, não é? Como nesta época ainda não tínhamos ovelhas, os galhos e as folhas, excelentes pastagens arbóreas, ficaram no chão para adubação.

Entender que o manejo de uma propriedade familiar compete, sempre que possível, à família, faz parte do ser sustentável. Assim, o trabalho foi feito em família: Jorge e Suzana, Lola e Fernando, acompanhados do Thomy, e com a ajuda do parceiro Pedro Marcos. Este trabalho de podar as quase 6.000 plantas demorou 3 dias. Vamos dizer que não foi tanto…

Depois da poda, feita com tesouras e serrotes de poda, a luz que entra ali, possibilita o crescimento das pastagens.Estimamos que ainda no frio de 2019, as ovelhas comecem a pastar entre as bracatingas maiores.

Por que ovelhas nos piquetes? São animais menores, pesando no máximo 60 quilos, são dóceis, aproveitarão as pastagens, mantendo a grama cortada, e estercam a área. Obviamente, também fornecem lã e carne dos filhotes machos.

Antes do crescimento de verão também fizemos as medições das plantas com 2 anos: medimos diâmetro da base (DAB), diâmetro na altura do peiro (DAB) e altura.

Para isso, Jorge e Suzana mediram todas as árvores das duas diagonais aproximadas do talhão. As anotações do caderno foram passadas para uma planilha, onde analisamos o desenvolvimento das bracatingas. Isso será repetido ano a ano e indicará o raleio, poda e colheita da madeira.

Assim, nossas áreas vão seguindo o design feito lá em 2013, onde prevíamos que em toda área mais acidentada da propriedade faríamos o manejo agrosilvopastoril. Árvores demoram à crescer? Sim, mas investir na permanência e em renda na forma de árvores, traz mais rendas ainda – água, ar, solos, e basta plantar. Quem não investe em um empresa ou numa poupança pensando em 12 ou 15 anos para a frente?

Nós também pensamos, por isso plantamos árvores! Na foto acima, nossa poupança, para nós e para as futuras gerações, numa cultura permanente.

Publicado em Sem categoria

Curso de Design em Permacultura 2019

Todo ano realizamos um, e apenas um Curso de design em Permacultura- PDC em Yvy Porã. Dizemos que é um curso acolhedor, já que trabalhamos com um grupo pequeno, de no máximo 16 cursantes, num regime de imersão, ou seja 24 horas juntos numa estação de permacultura onde se vive a permacultura há mais de 15 anos.

12417572_10154224705701019_5469963266169663231_n

Aqui no blog, na categoria Curso PDC temos o relato das vivências das pessoas que fizeram o curso nestes muitos anos.

Como diz Marsha Hanzi, este curso muda vidas. E dizemos que é uma bela ferramenta para construir a sustentabilidade! Em épocas de crise, buscar novos horizontes sempre é uma boa estratégia.

Na postagem “Afinal, o que é um Curso PDC ?”nexplicamos o que é o curso e seu currículo, reconhecido mundialmente.

As vagas estão abertas entre em contato e tire suas dúvidas!

Publicado em Contando a história

2018 – os aprendizados de Yvy Porã

Yvy Porã, teve um ano intenso com a vila se consolidando, se em 2017 foi o ano de formalizarmos a estrutura com novos integrantes, 2018 foi o ano de concretizar ao vivo e a cores o projeto. Começamos ano com duas famílias morando na Casa mãe e iniciando as obras dos seus respectivos espaços privativos.

Estar no espaço coletivo implica em solucionar problemas concretos, no coletivo, com tempos e visões de cada um. E trabalhar ombro a ombro vale mais do que anos de reuniões para debater ideias. Então, a convivência diária, com tarefas concretas de limpar a casa, rachar lenha, manejar a água, etc foram grandes ferramentas. E eleger investimentos, como a construção da cisterna para água de chuva da casa Mãe, congregou o grupo.

img-20181031-wa0004

Continuar lendo “2018 – os aprendizados de Yvy Porã”

Publicado em Sem categoria

2018 – aprendizados de Waikayu

O que aprendemos em 2018- Parte 2

Seguindo nossa reflexão sobre o que  vivemos e aprendemos neste ano, hoje falaremos do nosso projeto na serra catarinense.

Waikayu Raízes é um projeto de permanência, de 3 sítios vizinhos Raízes, Waikayu e Terra dos Ursos. A proposta deste grupo de famílias é a produção de alimentos sadios e limpos nos sistemas agrosilvopastoris, incluindo frutíferas, madeira, pastagens perenes, criação de pequenos, médios e grandes animais, laticínios, suco de uva e doces.

Em 2018 seguimos a rotina do plantio de um hectare de bracatingas e araucárias por ano, sendo 6000 bracatingas e 500 araucárias em consórcio por hectare. Como o primeiro talhão de árvores já tinha dois anos de crescimento, fizemos a poda de condução e a medição das plantas.

Mas podemos dizer que 2018 foi o ano em que perdemos os medos de termos animais.Todo permacultor, que tem origem urbana, tem bastante receio de introduzir animais, talvez pela ciência da nossa ignorância no trato de bichos. Em geral optamos por pequenos animais, como galinhas e peixes, e ousando pouco no restante. Sempre observamos nos PDCs que ministramos para agricultores, não existe um design sem porcos, galinhas, abelhas, peixes, patos, minhocas e vacas. Já nos cursos com público urbano, aparecem abelhas, minhocas, galinhas e peixes , quando muito uma cabra… Bem, 2018 foi o ano de experimentarmos, para além dos animais do Pedro Marcos e Eluza, do sítio Raízes, trazermos animais para nossos cuidados.

Neste caminhar Lola, Fernando e Thomas, da Terra dos Ursos, depois de um primeiro “laboratórios” com 4 galinhas, retomaram e aumentaram o projeto com elas, para ter ovos sempre fresquinhos. Hoje são 10 galinhas e 9 franguinhas que cumprem as funções de dar ovos, capinar, produzir esterco para canteiros e frutíferas, e limpar a borda da casa de aranhas, escorpiões e pequenos animais.  Também tiveram, no segundo ano do cultivo,   a primeira colheita das amoras, que até aqui deram 25kg e seguem frutificando. Além disso começamos o aprendizado de cultivo de cogumelos, com substrato de bananeiras.

Os primeiro talhões de árvores madeireira, sejam os eucaliptos plantados em 2014, e as bracatingas de 2016 já poderiam receber animais de médio porte para pastarem ali.

Avaliamos com Pedro, se seria o caso de soltarmos bezerros desmamados. Estes animais teriam que ficar apenas umas 3 horas por dia, para apenas pastar e sair, e isso exigiria um manejo trabalhoso. Decidimos então optar por um bicho menor  e assim introduzimos as ovelhas.

Para não errar, trouxemos uma adulta, prenha, que deve criar em um mês, e um macho, filhote, de outra origem, que será o reprodutor.

Fizemos a instalação mínima: um piquete com cerca elétrica, um telhado para acolher os bichos  no frio, no calor e longe da unidade, aǵua e um belo pasto.

Logo notamos que o piquete de uns 5000m² era pasto demais, para ovelhas de menos. Assim separamos o primeiro piquete em três, ainda menores, que estamos rotacionando a cada 15 dias. Ainda assim, sobra pasto! Mas logo teremos novos habitantes…

Para completar, foi o ano onde voltamos a acolher um curso por estas bandas, numa parceria de todos- Raízes, Terra dos Ursos e Waikayu. A experiência foi tão boa, que decidimos que em 2019 daremos também um PDC aqui na serra. Um bom ano se aproxima, buscando soluções à crise? A Permacultura segue sendo uma grande ferramenta.

 

Publicado em Sem categoria

2018 -ano de muito aprendizado – Parte 1

 

Pedimos desculpas à todos que seguem o blog, pois sabemos que ultimamente falhamos demais em publicar artigos. Na verdade, a vida anda nos presenteando com tantas coisas, projetos, etc, que acabamos falhando no quesito divulgação.

2018 foi um ano de coisas boas e importantes acontecendo. Nos nosso dois projetos, Yvy Porã com sua característica de acolhimento e transição de famílias que desejam viver no campo, e em Waikayu com sua proposta de produção, incluindo todas áreas de um design em Permacultura muitos aprendizados e realizações. E, englobando todos os projetos, vem a nossa atuação na formação e divulgação da Permacultura.

Para “colocar a conversa em dia”, iniciamos hoje uma sequência de 3 postagens sobre o ano que passou. A primeira dela terá o enfoque mais geral da divulgação da permacultura, cursos e ações em que participamos. A segunda falará sobre o projeto Waikayu e finalmente a terceira sobre Yvy Porã.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas em pé, nuvem, céu, planta, atividades ao ar livre e natureza

Continuar lendo “2018 -ano de muito aprendizado – Parte 1”