Estrutura da oficina- contraventando os pilares

Muitas vezes recebemos consultas sobre construções. Sempre esclarecemos que somos permacultores, com experiência prática em construções. Não somos nem engenheiros, nem arquitetos e reforçamos que para a segurança de quem vai se colocar sob um teto, é importante ter alguém que possa ajudar, orientar dar segurança ao que se vai fazer. Bem, em muitas destas consultas vemos imagens de estruturas que pecam por uma coisa simples, que se chama CONTRAVENTAR uma estrutura.

Isto já foi dito em postagens anteriores, na mais recente delas, a da nova oficina, mas resolvemos que seria importante explicitar e usar estratégias didáticas para explicar este aspecto simples e fundamental das estruturas.

Ao fazer uma estrutura, sempre o que vemos são os pilares, piso e telhado. Isto forma um quadrilátero. Usando a estrutura da nova oficina vamos ilustrando esta explicação. Na foto abaixo a estrutura e a parede da frente, pilares colocados formando o tal quadrilátero.

Continuar lendo

Anúncios

Fechamos a estrutura do octógono

Neste final de semana demos um grande passo, pois fechamos a estrutura do octógono da casa. Para isto faltava colocar um pilar- que não tem apoio em paredes já que fica na divisão entre sala e escritório, e por ser um pilar assim, solto, fomos protelando a sua colocação. Levantá-lo significava fechar o octógono da estrutura e fixá-lo era prendê-lo ao pilar central da casa e aos dois pilares laterais… E assim foi feito! Com a ajuda da Juliana, Cecília, Rodrigo e Gardel do Curupira fizemos esta tarefa- entre outras!

Antes de seguir postando desta vez vamos postar um pequeno video, feito a partir da documentação da obra que vem sendo feita por nós e pela Cecília que faz um resgate desde o início da obra. Em breve outros virão… Esperamos que estas imagens sirvam para dar um gostinho e a sensação de espaço da casa da Montanha!

Pilares da varanda

Para seguir colocando o telhado- uma prioridade num estado onde chove muito- era preciso colocar os pilares da varanda. São 3 postes de eucalipto, sobre o alicerce de pedra, fixados ao chão apenas por um ferro na espera. Assim, evita-se que o poste receba água, pois está uns 6cm acima do piso, e com isto a madeira não apodrece.

Neste trabalho estamos há algumas semanas, como relata o blog. A medida da altura destes 3 pilares foi tirada a partir de barbantes estendidos, que se cruzam, dando as linhas que cada caibro do telhado, e prumos tirados meio assim, no ar! quer dizer, tudo gerava muita instabilidade e dúvidas: “será isso mesmo?”…

Assim, neste final de semana, lá fomos nós, Suzana e Jorge, colocar os pilares de pé!

im004724.jpg

Continuar lendo

A varanda- terras e pilares

A postagem de hoje começa com a foto deste bichinho, que anda como se medisse palmos: abrindo, esticando e fechando o palmo! Ao começar um novo passo faz este Ômega! Sinal do infinito! E seu andar lento, buscando onde firmar suas extremidades para dar o passo ilustra nosso caminhar nesta construção da casa da montanha: passos pequenos, que à vezes parecem demorar muito para chegar ao objetivo…mas segue: INDO!

omega.jpg

Nesta semana nos dedicamos à duas tarefas lentas: espalhar a terra na varanda, dando o nível da mesma e começar o trabalho com os pilares da varanda.

O primeiro piso já com ares de “como vai ficar” foi um trabalho de picareta e enxada, feito pela Isabel e Suzana numa manhã. Como havia terra sobrando, bastou retirar onde havia muito e ir espalhando onde era preciso, e principalmente ao lado dos alicerces feitos nas semanas anteriores, mas como havia sido muito compactada pelo nosso caminhar e trabalhar sobre este espaço, a picareta se fez necessária!

Na foto abaixo, Su e Bel, uma com a picareta que soltava a terra e a outra com a enxada espalhando a terra solta- obviamente com muitas piadas e conversas no meio do caminho!.

belsuvaranda.jpg

Enquanto isso, perto da casa mãe, Jorge e Cecília preparavam os pilares, medindo, cortando e fazendo os encaixes para a viga que irá suportar o peso do telhado. Estes pilares de 2m de comprimento foram trazidos para a obra de caminhonete e colocados na varanda com a ajuda de todos: Isabel, Mariani, Cecília, Suzana e Jorge. Na foto abaixo os pilares no chão e a piso da varanda já com a “cara de varanda”- é incrível como o simples nivelar do piso faz com que o espaço tome uma amplidão …

todos-varanda.jpg

Continuar lendo

Sete de setembro- sábado

No sábado seguimos no nosso mutirão!

Uma das boas coisas de se compartilhar o construir um espaço, é que cada um possa ver e vivenciar atividades distintas num mesmo dia… Na nossa proposta de construir a “casa em gomos” neste final de semana, fizemos alicerces, peneiramos terra, levantamos paredes, colocamos pilares e ainda chegamos ao telhado, tratando com linhaça os caibros colocando-os no lugar. Quer dizer, do “chão ao teto” fizemos um pouquinho de tudo!

Neste dia, Gardel e Simone, nossos “quase vizinhos ” do sítio Curupira, e Carol, do Pronera, estavam programados para nos visitar, além da turma que estava lá: Tomaz, Lara, Cecilia, Rodrigo, Edla, Zeca, Suzana e Jorge.

Infelizmente, Gardel veio sozinho, mas chegou cedinho e logo fomos para a obra!

Socar paredes, e fazer um pequeno trecho do alicerce para podermos colocar mais um pilar, o que fecha a face Norte, foi a tarefa do grupo neste dia. Edla resolveu “atacar” e reformar os canteiros da casa Mãe, no qual plantamos no final do dia mudas de olerícolas trazidas por ela. O resto do pessoal foi todo para a obra…

Na foto abaixo, Zeca, Gardel fazendo o alicerce com as pedras para fixar o pilar:

alicercezegardel.jpg
Continuar lendo

Sete de setembro- sexta feira

No curso de Bio construção do Beira Serra em Botucatu, em julho, Tomaz e mais uma turma de SP propuseram uma visita e um mutirão na casa da montanha no feriado de 7 de setembro. Bom, de SP veio o Tomaz ( fiel amigo e parceiro de sempre!), e daqui de Santa Catarina mais um monte de gente! Zeca e Edla, parceiros de Yvy, Gardel do Curupira, Cecilia, Lara, Rodrigo, Carol, e os visitantes Ana, Álvaro e Clara

Na foto abaixo, as meninas: Edla, Ana, Clara e Suzana com nossos lírios vermelhos que florecem na primavera ao lado da casa mãe.

lirio.jpg

Um mutirão é algo muito fácil de se transformar num MENTIRÃO, como diz o Angelo Rayol, permacultor lá de Lumiar RJ… Continuar lendo

Colocando um pilar

Neste sistema construtivo tivemos que decidir sobre como seria a estrutura da casa, isto é, pilares ou paredes estruturais?

Quando se trabalha com tijolos, cozidos ou de adobe, os próprios tijolos costurados formam a estrutura da casa, amarrando-se no alicerce e numa viga ao final antes do telhado.

Mas no caso da taipa socada a estrutura vem dos pilares, entre os quais se soca a terra. Decidir significa escolher, traz benefícios, responsabilidades, consequências. Decidir se os pilares:

  • Seriam roliços ou de vigas retangulares?
  • Será madeira tratada em autoclave ou não?
  • Vamos enterrá-los no chão ou colocálos sobre alicerces de pedra?

Bem, foram algumas boas conversas e muito, muito tempo pensando nos possíveis problemas e suas soluções…

Suzana vem de uma família que tem uma usina de tratamento de madeira, assim, não foi fácil abrir mão do paradigma “madeira eterna” para a madeira passível de bichos, cupins, brocas, etc… Mesmo alguns argumentos e contra argumentos como:

” A madeira autoclavada não composta, não se decompõe” “Mas você não quer que sua casa composte, você quer que ela dure…” Foram pano pra manga e muitas conversas!

Conversamos com pessoas que trabalham com madeira na região de São Pedro de Alcântara e verificamos que há pouca incidência de cupins na região. Também analisamos as árvore que tínhamos- Citriodora de mais de 30 anos, duro como ele só! Pesquisamos o processo e consequencias do uso de madeira autoclavada…Ainda fizemos uma reunião entre os parceiros de Yvy Porã e decidimos pela coerência: Madeira sem tratamento químico!

Bem, aí os problemas começam… Quem disser que ser coerente é simples… Não é não!

Madeira tratada se enterrariam os pilares e pronto. Tem-se todos os pontos fixos para subir a casa. Pilares crus: vamos enterrar e daqui há uns 20 anos ter um problema sem solução simples? Não, vamos colocá-los sobre alicerces. Bem, aí temos um “paliteiro” de vigas com 3,5m de altura apoiadas num ferrinho, sobre uma base de cocreto, para ir depois montando e socando as paredes!Que coisa instável!

Mas as soluções se criam! Na sequência de fotos abaixo a colocação de um dos pilares:

Foto 1: base com o ferrinho que “centraliza” o pilar sobre o alicerce e os arames que ficam ao lado do mesmo, dentro das paredes e vão amarrar o telhado. Na madeira é feito um furo para o encaixe.

furopilar.jpg

Foto 2- A união faz a força! Jorge, Cecília, Mariani e Suzana subindo o poste. Mariani fica na ponta para “guiar” o encaixe no alicerce.

subindopilar.jpg

Foto 3- Todos segurando o poste, momento de maior instabilidade, pois é um grande palito, pesado e instável! Jorge começa a pregar as madeiras formando um pé de galinha.

pilar-pregando.jpg

Foto 4- Marini e Jorge completando o trabalho, detalhe do “Pé de galinha” , trés madeiras se complementado uma apoiando cada lado.

jomarianipilar.jpg

Foto 5- O pilar colocado com as pedras no alicerce, o reboco dando o acabamento.

pilarfim.jpg