3 Comentários

A nova oficina

Começamos a nova etapa “conversando” com o espaço do nosso quintal, da nossa zona 1, buscando ver a vocação e onde poderia ser a nova oficina, com nova cara, nova energia! Esta construção é um espaço de 3m por 4m, ao lado de onde foi a geodésica, que virou a garagem, perto da Zona 5, protegida pela mata de ventos de sul e do sol do oeste.

Como o terreno tem um desnível natural do morro, é preciso um alicerce de elevação, para termos a piso no mesmo nível que o pátio da casa. Para este muro de elevação, decidimos usar grandes blocos de tijolo que foi retirado das paredes que sustentavam a geodésica. Na foto abaixo, a vala do alicerce e os blocos que iam sendo cortados.

Para a base da construção fizemos o alicerce ciclopeo, cavando 30cm de profundidade no solo natural, por 30cm de largura. Ali colocamos camadas de pedras grandes, intercaladas com uma massa de cimento areia na proporção 5 de areia por 1 de cimento.

Em seguida elevamos o alicerce até a altura do piso, usando para isto grandes blocos de tijolos retirados do muro demolido da geodésica. Este muro de elevação teve 20cm de largura e foi assentado com solocimento.

Sobre ele fizemos uma viga de concreto, com ferros fazendo a cinta de amarração e uma camada isolante hidrófugo, na proporção 4 de areia e 1 de cimento, e por cima  fizemos uma capinha de cimento queimado.

Neste ponto colocamos os pinos de ferro onde serão colocados depois os pilares de eucalipto, como mostra a foto acima. Estes ferros servem para evitar o movimento lateral na base dos pilares. Na foto abaixo, Jorge queimando o cimento para propiciar um melhor isolamento hidrófugo.

Alicerces feitos, vamos à estrutura!

Quando cortamos os eucaliptos que usamos na Casa da Montanha, cortamos uns tantos a mais, pensando em usar talvez na Casa mãe… O que não ocorreu. Assim, tínhamos vários pilares secos e prontos para usar, apenas com o brancal danificado pelo tempo- o brancal é a parte mole de uma madeira, a parte de fora, dentro tem-se o cerne, de madeira dura, raramente atacada por algum bicho. Assim, foi preciso “descascar” o brancal, deixando as madeiras só com o cerne. Isto foi feito com o machado.

Com as madeiras preparadas, Jorge contou com a ajuda do Diego e do seu pai, Jinelsinho para rapidamente montar a estrutura dos pilares. Parece simples, pois é um “paliteiro”, mas cada pilar deve ser medido, colocado sobre o ferro, com um furo fazendo o encaixe, medir-se prumo, alinhamento, etc.

Não é apenas colocar os postes de pé… É necessários contraventar, ou seja, colocar travas formando triângulos, como mostra a foto acima. Os triângulos são peças rígidas, indeformáveis, ao contrários de quadriláteros, que podem se deformar. Também já colocamos travas de madeira a 1,90m de altura para fixar os alambrados que virão depois, já que  usaremos uma técnica de construção dos panos das paredes com alambrado, palha e barro.

Estrutura feita, hora de colocar as vigas do telhado e os caibros que receberão depois as ripas para as telhas de barro. Novamente usamos madeira seca, alguns roliços inteiros, outros dois paus roliços maiores abertos ao meio com a motoserra pelas experientes mãos do Diego.

Peça por peça vamos subindo os pesados troncos roliços de eucalipto, dando o nível, medindo os beirais, para ir dando forma ao telhado.

Assim como na Casa da Montanha, o telhado se liga aos alicerces por um arame que sobe da fundação , vai grampeado às colunas, e amarrado a viga e caibro do telhado. Enfim, chegamos, em apenas 2 semanas, a ter já a estrutura pronta para receber as telhas e seguirmos na construção da nova oficina.

Anúncios

3 comentários em “A nova oficina

  1. Olá amigos!

    Tenho algumas dúvidas quanto ao Eucalipto, vocês podem me ajudar?

    Se ele pode ser cimentado diratamente na estrutura ou isso pode afeta-lo com o tempo?

    E posso usar eucalipto sem tratamento?

    Obrigado,

    Fernando

    • Oi, Fernando
      Em geral é bom deixar que a madeira respire. Quando se enterra ou cimenta pode acontecer o apodrecimento no nível do pescoço (encontro entre a parte aérea e a embutida), sobre tudo se a madeira fica absorvendo umidade.
      Nós usamos Eucaliptus citrodora que tem uma bom cerne, com mais de trinta anos de amadurecimento (o que usamos na casa da montanha tem 45 anos) e bem seca, pelo menos um ou dois anos depois de cortada. Nunca usamos madeira tratada, quer dizer envenenada, se se usa a madeira correta e corretamente ela dura muitos anos; no projeto é bom deixar prevista a substituição das peças que mostrem qualquer ataque seja de insetos ou fungos.
      Abraço.
      Jorge

  2. “bons calçados e chapéu de aba larga” – taí, explicado e com ótimas imagens neste tópico, caracterizando direitinho os conselhos da postagem anterior, do “luto”.

    Muito obrigado pelas dicas!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: