Água para a Casa da Montanha

Quando pensamos em sobrevivência o primeiro ponto é a água… Yvy Porã é um lugar com muitas pequenas nascentes- pequenas pois estamos no alto dos morros, temos várias micro-bacias, com pequenos correguinhos que abastecem o rio Imaruim. Estas nascentes podem ser usadas, mas a Casa da Montanha fica bem no alto e, como se pode perceber nos nossos relatos, em São Pedro de Alcântara chove muito… Assim, desde o início do nosso projeto a proposta sempre foi colher água de chuva do telhado para uso na nossa casa- ainda que tendo como reserva estartégica, caso seja necessário, o uso das águas das nascentes.

Finalmente chegou a hora de construirmos nossa cisterna de ferrocimento.  Esta técnica não é invento de nenhum permacultor, embora muitos usem tal estratégia. Ela é uma publicação da Associação Brasileira de cimento portland, na apostila de Construções Rurais.

Na foto abaixo seu Zé fazendo o piso da nossa cisterna.

Para planejar uma cisterna devemos conhecer o clima e o regime de chuvas local- quando chove, quanto chove e principalmente qual o tempo de estiagem maior na região.  Com estes dados  ainda devemos levar em conta quem vai usar esta água…

Ou seja, o plano de cisterna deve considerar:

  • o consumo da casa = moradores x 150 litros/dia.
  • tempo maior de estiagem no local.

Na casa da Montanha somos 2 pessoas, usando em média 150litros/dia, o que dá um consumo diário de  300 litros. Pode-se dizer: vocês usam muita água… Bem, se estou usando água que cai do céu e tratando desta água ao devolvê-la à natureza, não há nenhum problema… O problema está em usar muito quando há pouco e principalmente em usar e devolver à natureza suja!

Numa cisterna tampa e fundo são feitas uma sobre a outra, para que fiquem do mesmo tamanho. A parede é um retângulo que unirá tais peças. Na foto abaixo, Bel e Mariani colocando a tela de pinteiro na tampa que está sobre a base.

Seguindo nosso raciocínio: precisamos de 300 litros/dia de água. Na nossa região o máximo de dias sem chuva é de 20 dias ou seja , se estivéssemos lá todos os dias precisamos de uma reserva de 300 x 20= 6000 litros…O regime de chuvas aqui é perto de 1750mm/ano, ou seja, chove muito!

Mas como permacultores responsáveis e pensando que a água não é algo negociável na vida, planejamos fazer duas cisternas uma menor no leste da casa e outra, maior na parte oeste, bem perto da nossa zona 5.

Começamos fazendo a grande do lado oeste que irá captar água de 75% do telhado, para garantir autonomia com certa folga. Assim, nossa cisterna terá 3m de diâmetro, por 2 de altura, o que dá um volume de:

Vol = 1,5² x 3,1416 x 2 = 14,137m³ ou seja,  14.137 litros

NA foto abaixo a estrutura da cisterna sendo preparada para começar a receber a massa de cimento areia ( 2 de areia por 1 de cimento).

A água será captada diretamente do nosso telhado, por calhas galvanizadas (com o tempo pensamos em usar nossos bambus giganteus, mas como eles estão pequenos, optamos por este material). A água que vem da calha passa por um sistema que armazena e descarta as primeiras águas da chuva, que lavam o telhado. Assim, só vai para a cisterna a água limpa.

Nesta foto já começamos a colocar a massa. Como o trabalho deve ser em um dia, trabalham 2 ou 3 duplas.

Os passos para se fazer tal trabalho são:

– Fazer o contra piso nivelado, com uma base de brita e concreto por cima.

– O traço de toda a massa usada aqui na cisterna é de 2:1 ou seja, 2 de areia lavada e 1 de cimento. Este traço faz uma massa forte e hidrófuga, já que vai segurar a água da cisterna.

– a Malha POP  comprada pronta faz a estrutura

– sobre esta malha se amarra tela de pinteiro, que será a base onde a massa irá se prender.

– sobre esta “jaula” começa-se a colocar a massa trabalhando em duplas: uma pessoa fica dentro, com uma peça de fórmica para amparar a massa que está sendo colocada, e outra por fora, colocando a massa. Este trabalho deve ser feito em um único dia, para montar uma única estrutura de cimento, sem emendas. Se houverem furinho, não tem problema, eles serão cobertos no dia seguinte.

– Depois de ter a primeira camada de massa colocada, que fica dura já em 24h, fazemos a segunda camada, que é com a mesma massa um reboco por dentro e outro por fora, cobrindo buracos e todo e qualquer parte do ferro da estrutura que estiver aparente. Estas camadas também devem ser feitas de uma única vez, num único dia.

– Colocamos flanges, torneiras e registros para as instalações.

Deixa-se curar 24h, protegendo do sol e se preciso molhando para ajudar neste processo. Em seguida já se enche para terminar a cura da massa com água. É normal nos primeiros dias a cisterna “chorar”, se houverem vazamentos maiores é preciso esvaziá-la, arrumar com a mesma massa e voltar a encher. As águas desta primeira enchida devem ser descaratadas, pois tem forte gosto de cimento.

Anúncios

10 comentários sobre “Água para a Casa da Montanha

  1. Minha nossa vocês são demais, Não querem me adotar como um filho?Vou ajudar bastante nas tarefas rsrsrs!!!. Legal postar tudo isso em detalhes. Isso que é desenvolvimento.

  2. Queridos Suzana e Jorge, estou fazendo um estudo para colocar uma cisterna para o sistema de captação de água da chuva na casa que iremos construir e me disseram que a “norma” não permite o uso de água de chuva para fins potáveis como: chuveiro, pia da cozinha e lavabo (queria utilizar água da chuva para tal). A intenção é utilizar um filtro biológico para a saída da água da máquina de lavar e tanque que será reutilizada para o vaso sanitário, irrigação e lavagem do carro e áreas externas; utilizar círculo de bananeiras para saída da pia da cozinha e outro para saída do chuveiro e lavabo. Queremos aproveitar o máximo a utilização das águas. A questão é: realmente existe essa norma? Forte abraço. Helga

    • Oi, Helga. Não sabemos como é a legislação ai… Mas o que pensamos e fazemos é que a água de chuva, depois dos dez primeiros minutos de chuva, é potável sim…
      Usamos a água assim já há anos, e estamos bem, saudáveis e vivos!hehehehe
      Nossas águas cinzas vão direto para o círculo de bananeiras, e a questão de reutilizar, depende muito do seu contexto… quanto chove ai… se é pouco, tem-se que fazer esta água render, se é muito… basta devolvê-la ao sistema LIMPA… ai NADA de uso de água sanitária, amaciantes, Vejas etc… Limpeza é com água, sabão, vinagre e água oxigenada e SÒ…

      • Olá, podem me informar se teri condições de construir uma casa nos moldes da bioconstrução ao final do pdc com saneamento ,uso de eletrodomésticos,reaproveitamento da água e etc? obrigado!

      • Francisco
        o PDC te dá conceitos, ferramentas básicas e filosofia da permacultura. As condições do que fazer ou não, dependem de cada um, não é? Não é um curso de engenharia, nem de agronomia- afinal, são APENAS 80horas, não é?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s